Home » Comportamento » Eu » Eu: Meditação e seus benefícios comprovados cientficamente

Eu: Meditação e seus benefícios comprovados cientficamente

Eu

Concentração, Respiração, foco, força, relaxamento, qualidade de vida e muito mais fazem parte do pacote de quem adere aos benefícios da meditação.

Arma poderosa a favor do corpo e da mente

Muito antiga entre os hindus e yogis e transmitida pelos gurus a seus discípulos, a meditação é uma técnica oriental que tem como objetivo silenciar a mente, propiciando um relaxamento profundo físico e mental.

Os benefícios da meditação já são conhecidos pelos seus praticantes, mas só atualmente há um interesse maior dos pesquisadores em comprovar cientificamente os resultados da meditação. Segundo o psicólogo Michael Posner, da Universidade de Oregon, “com a ressonância magnética e a tomografia, percebemos que a meditação muda o funcionamento de algumas áreas do cérebro, e isso influencia o funcionamento do organismo como um todo”.

Veja os estudos relacionados aos benefícios da meditação:

Menos estresse, ansiedade e insônia

  • A mudança na produção de hormônios também é comprovada cientificamente. Pesquisadores do Davis Center for Mind and Brain da Universidade da Califórnia, analisaram o nível de adrenalina, cortisol (hormônio do estresse) e endorfinas antes e depois de um grupo de voluntários meditar. Houve a diminuição da produção de adrenalina e cortisol, e aumento da produção de endorfina. E comprovaram que, quanto mais profundo o estado de relaxamento, menor a produção de cortisol.

 

A meditação também provoca uma queda significativa da ansiedade. Em estudo realizado por pesquisadores da Wake Forest Baptist Medical Center, da Carolina do Norte, foi observada uma queda de 39% da ansiedade em voluntários que meditaram durante 20 minutos por quatro aulas.

Técnicas de relaxamento profundo, colocadas em prática durante o dia, podem melhorar a quantidade e a qualidade do sono. É o que aponta um estudo de 2008, do Northwestern Memorial Hospital, de Illinois, que passaram a dormir duas horas a mais por dia e alcançaram níveis de sono REM mais próximos do considerado saudável.

Menos infarto e pressão alta

    • Meditar diminui a hipertensão e previne doenças cardíacas, como apontam os estudos das Universidades de Ciência da Saúde da Georgia e da Califórnia, além da Associação Americana do Coração, que também em estudo, comprovou que meditar reduz em 47% as chances de ataque cardíaco e infarto em adultos.

    Maior resistência à dor e sistema imunológico reforçado

       

      • O sistema imunológico também é favorecido. “O aumento da atividade cerebral relacionada a pensamentos positivos tem influência direta na maior produção de anticorpos. A meditação também intensifica a ação da enzima telomerase”, diz Judson A. Brewer, de Yale.

       

      O pesquisador Joshua Grant, do Departamento de Fisiologia da Universidade de Montreal comprovou a hipótese de que quem tem a meditação como hábito sente menos dor.

      Impacto no comportamento e na saúde

      A Dra. Daniele N. Tubini (psicóloga e psicoterapeuta da Clínica de Comportamento e Saúde) alerta que:

       

      • “A meditação é uma técnica que pode ser utilizada como coadjuvante em tratamentos mentais e físicos, mas há indicações específicas para tipos de distúrbios mentais”;
      • “Uma depressão severa ou crises de pânico, por exemplo, devem ser tratadas com psicoterapia e medicamentos imprescindivelmente, mas a indicação de meditação específica deve ocorrer apenas após a evolução do tratamento”;
      • “Apostar em meditação sem levar em conta a causa dos distúrbios psíquicos é, no mínimo, negligência. A meditação é uma ferramenta valiosa e para muitos um estilo de vida, mas deve ser usada com sabedoria”.

       

      Saiba mais: Eu: 5 atitudes de consomem nossa energia

      Equipe Comportamento e Saúde



      Imagem (www.123rf.com).
      Fonte (com informações da Revista Veja, veja.com.br).
      Compartilhe com seus amigos Share on FacebookShare on LinkedInTweet about this on TwitterShare on Google+
      Autor: Comportamento e Saude

      Deixe uma resposta

      O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

       

      Login

      Perdeu sua senha?